Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

20 de set de 2013

“Mário Lago” de Marco Abujamra e Markão Oliveira faz um passeio na vida do artista por meio de suas letras, opiniões e bate papo com os amigos - O documentário será exibido na Mostra “Retratos” no Festival do Rio




“Sambista, ator e autor” é assim que Mário Lago se define no documentário “Mário Lago”, que será exibido pela primeira vez no dia 05 de outubro às 15h na Mostra Retratos no Festival do Rio. Com direção de Marco Abujamra e Markão Oliveira, o longa vai mais fundo e traz de uma forma dinâmica a vida um artista completo e um dos maiores expoentes da arte do século XX.

Com 96 minutos, a obra faz um passeio na vida do artista, por meio de suas letras e opiniões, que mudaram gerações sem abrir mão da lucidez e do carisma típicos de um exímio carioca.  O filme ainda resgata  imagens de arquivo raras, conta c músicas e curiosidades do compositor de “Amélia”, Nada Além,  da marchinha“ Aurora”, entre muitas outras.
  
Os seus 25 anos de televisão, seu amor pelo rádio e sua atuação no cinema também são retratados junto com trechos de programas da rádio nacional, novelas como “O Casarão”, “Barriga de aluguel”, na série “Hilda Furacão” e no filme “Terra em Transe” de Glauber Rocha.



Para Marco Abujamra, que também dirigiu o premiado "Jards Macalé - Um Morcego na Porta Principal”, Mário Lago era uma flor com raízes de aço. “Se é possível ser acolhido postumamente, creio que o fui. É a segunda biografia que faço, e nas duas busquei me inspirar na obra e na intimidade dos personagens para desenvolver a linguagem, para escolher como contar essas histórias. E esse mergulho delicioso na vida de Mário Lago foi um privilégio que estará sempre guardado num lugar muito especial em meu coração”, observa.
Ainda segundo Abujamra, através do filme é possível criar-se um entendimento sobre como as opções de Mário Lago influenciaram sua família. e perceber nela o reflexo do gentleman comunista, do agregador solidário, da persona tão querida que foi Mário Lago. 
Já na visão  do diretor Markão Oliveira, o documentário “Mário Lago” nos leva para um Rio de Janeiro mais gentil, alegre e delicado e também para um momento histórico, tenebroso, passando pela formação de diversas produções culturais e artísticas que marcaram o século 20 no Brasil.
No documentário podemos ver ainda um bate papo descontraído entre Gracindo Júnior, Beth Mendes, o escritor Sérgio Cabral  e  Mário lago Filho, além de vários depoimentos como de Beatriz Segal,  Lenine e muitos outros. Nele mergulhamos na visão política de Mário Lago, que foi preso 7 vezes por motivos políticos, no seu jeito boêmio e nos momentos da vida do carioca nada saudosista, que soube bem como aproveitar o seu presente, como se não houvesse ontem.





Biografia dos diretores
Marco Abujamra é diretor e roteirista, entre os seus trabalhos destacam-se o doc. "Jards Macalé - Um Morcego na Porta Principal", prêmio especial do júri Festival do Rio (2008), prêmio júri popular In-Edit Brasil (2009), Direção Geral do pgm "No Amor", 1° filme colaborativo da TV Brasileira, co-produzido pelo Canal Brasil, prêmio Shell Direção Musical pela peça: O Auto da Compadecida, com direção de Antonio Abujamra.
Markão Oliveira é diretor e fotógrafo, entre os seus trabalhos, podemos destacar o doc. “Deus sabe tudo mas não é X9”, em parceria com Fábio Gavião, documentário sobre os meninos da comunidade Pereira da Silva no RJ, indicado ao Prêmio de Melhor Documentário no Festival do Rio de 2008, “A Vida é um Sopro” doc. sobre Oscar Niemayer, de Fabiano Maciel / 2007, Prêmio de Melhor Fotografia no Festival de Goiânia 2007 , “Sorria você está na Barra”, de Isabel Jaguaribe / 2013. Diretor de Fotografia dos seguintes programas: “Alternativa Saúde 2011/ 2012/ 2013 do Canal GNT, pela Conspiração Filmes, “Som do Vinil” 2012 do Canal Brasil pela Samba Filmes, “Um Pé de Que?” 2002 a 2005 / 2012/ 2013 do Canal Futura, pela Pindorama Filmes e “Pé no Chão” 2009/2010 do Canal Multishow.


10 de set de 2013

Antes da chuva” no Espaço SESC

Novo espetáculo de Rodrigo Portella – diretor indicado ao Prêmio Shell 2013 – recebeu comentários elogiosos da imprensa especializada durante os festivais de Curitiba e Cena Contemporânea de Brasília

Indicado ao Prêmio Shell 2013 de melhor direção no Rio de Janeiro, pelo espetáculo Uma história oficial, Rodrigo Portella apresenta a partir do dia 9 de setembro, no Espaço Sesc, seu novo espetáculo Antes da chuva. Com texto de autoria do próprio diretor, a peça é fruto da pesquisa que a sua Cia Cortejo desenvolveu tendo principal inspiração para o processo criativo a obra O amor nos tempos do cólera, do colombiano Gabriel Gárcia Márquez. A trama gira em torno do amor inocente e persistente de um jovem rapaz (Luan Vieira) por uma mulher mais velha (Bruna Portella). Eles habitam um povoado ribeirinho cada vez mais deserto e decadente. Lugar este, que no passado teria sido alvo de exploradores estrangeiros. Apesar da forte influência de García Márquez, muitas das situações vividas na peça, surgiram da história familiar dos integrantes do grupo: tias solteiras, pais separados, cartas de amor, romances de infância... Algumas das mais belas passagens foram inspiradas na história da bisavó de Bruna, uma índia peruana que desceu "fugida" o Rio Amazonas com seus 15 filhos a bordo de uma pequena embarcação.

A encenação de Rodrigo Portella, em parceria com Léo Marvet, destaca-se pela aposta na simplicidade para que a sutileza das relações, criadas pelos personagens, sobressaia. “Os personagens foram criados especificamente para os atores Luan e Bruna. O desejo de trabalharmos juntos é anterior ao texto", afirma o autor e diretor. "Assim como o nosso espetáculo anterior, essa obra surge do encontro da literatura de García Márquez com a pequena cidade onde a companhia está sediada (Três Rios). Partimos de um pequeno povoado, ou seja, de uma microorganização social para falar sobre questões universais: amor, poder, sonhos, utopias, clichês, tabus..." A opção pelo espaço vazio – o único objeto em cena é um livro – convida o espectador a um mergulho no próprio imaginário, tornando-o ativo na construção dos diferentes espaços: o sobrado, a praça, o cais, o tribunal, a igreja, o barco.

A montagem estreou em abril de 2013 no Teatro Mini-Guaíra, durante o Festival de Teatro de Curitiba, e de lá saiu consagrada como uma das surpresas da mostra paralela. Depois foi apresentada em Belo Horizonte, Rio das Ostras, Jacarezinho, interior do Paraná, no Cena Contemporânea de Brasília e no Festival de Teatro de Juiz de Fora. De Curitiba, a crítica Maria Eugênia de Menezes, O Estado de São Paulo, escreveu: “(…) Agora, surpresa, surpresa mesmo, veio do interior do Rio de Janeiro. Sediada na pequenina cidade de Três Rios, a jovem Cia Cortejo exibiu Antes da Chuva. Obra sem grandes efeitos, delicada, centrada essencialmente no trabalho de seus dois interpretes. Prova da beleza que só a simplicidade pode ter.” Também o Estadão, de 26 de Agosto, publicou matéria de meia página para falar exclusivamente da peça: “‘Antes da Chuva’ chama a atenção no Cena Contemporânea de Brasília” (Link: http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,antes-da-chuva-chama-a-atencao-no-cena-contemporanea-de-brasilia,1068091,0.htm).



SERVIÇO – “Antes da chuva” 1ª temporada: De 9 a 24 de setembro, segundas e terças às 19h, no Espaço SESCLocal: Espaço SESC – Sala Multiuso (Rua Domingos Ferreira 160 – Copacabana) | Informações: 2547-0156 | Estreia: 9 de setembro às 19h | Temporada: 9 a 24 de setembro, segundas e terças às 19h | Ingresso: R$ 20 (inteira), R$ 10 (estudantes e idosos) e R$ 5 (assoc. Sesc) | Horário da bilheteria: 15h às 21h de Terça a Domingo | Não recomendado para menores de 16 anos | Duração: 60 minutos


Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

Minha lista de blogs