Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

12 de abr de 2018

ROSA E A SEMENTE, PRIMEIRO ESPETÁCULO INFANTOJUVENIL DO GRUPO PEDRAS, ESTREIA EM ABRIL

ROSA E A SEMENTE, PRIMEIRO ESPETÁCULO INFANTOJUVENIL DO GRUPO PEDRAS, ESTREIA EM ABRIL.

Inspirada no conto “O Pote Vazio”, peça tem direção de Isaac Bernat e é voltada para toda família.

Com 17 anos de trajetória, companhia carioca fará apresentações gratuitas em quatro locais públicos: Museu da República, no Catete (14 e 15/04), Parque Madureira (21 e 22/04), Campo de São Bento, em Niterói (28 e 29/04) e Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema (5 e 6/05).

Um sábio Mestre resolve passar todo o seu conhecimento para um aprendiz. Para escolher o discípulo, ele reúne crianças em seu jardim e distribui sementes que elas deverão fazer germinar. Mas Rosa, uma menina que adora flores, enfrenta dificuldades com a tarefa – e, para concluí-la, vai enfrentar uma série de aventuras. Primeiro espetáculo infantojuvenil do Grupo Pedras, Rosa e a Semente é inspirado em um clássico conto chinês de tradição oral, “O Pote Vazio”, e será apresentado em diversos locais públicos no Rio de Janeiro e Niterói. A estreia será no dia 14 de abril, às 11h, no Museu da República.

“As flores irão decidir”, diz o Mestre (Lucas Oradovschi) ao distribuir as sementes. Os dias passam e a de Rosa (Helena Stewart) não brota. Seu pai (Diogo Magalhães) aconselha que procure orientação da Jardineira (Marina Bezze), que conduz a menina em sua aventura: pegar uma terra escura do alto da montanha, o cocô do boi com uma estrela na testa, a água da cachoeira encantada e, então, seguir para a Árvore do Tempo. Antes de sair, o pai lhe entrega um pequeno livro que recebeu de seu avô para usar quando não souber o que fazer.

A peça traz ensinamentos para toda a família: a força de vontade para realizar um sonho, a esperança de ver a semente florescer e, especialmente, a coragem de falar a verdade – a grande lição do conto. Quando o Mestre recebe as crianças e suas flores, escolhe como aprendiz aquela que traz a sinceridade.

“Rosa e a Semente” é o primeiro espetáculo infantojuvenil do Grupo Pedras e, assim como outras montagens da companhia, se utiliza de técnicas do teatro de máscaras, da bufonaria e de expressões populares brasileiras. A ideia de falar com este público veio de Helena Stewart, uma das fundadoras do grupo, quando começou a assistir peças infantis com seus filhos. “Queremos ocupar a rua, fazer uma circulação gratuita para que todos possam assistir”, destaca a atriz. “Temos em nosso repertório uma pesquisa de espaço com a plateia que está presente também neste novo trabalho”, conta a atriz Marina Bezze.

Juntos, os integrantes da companhia começaram a pesquisar textos infantis e convidaram Isaac Bernat para dirigir a montagem. Nos primeiros encontros, surgiu “O Pote Vazio”, texto com o qual o diretor já havia trabalhado em aulas que ministra na universidade. “Tenho fascinação por este conto. É cada vez mais pertinente essa discussão sobre a importância de dizer a verdade, mesmo que seja difícil enfrentá-la”, diz Bernat.

Para assinar a direção de movimento, a companhia convidou Andrea Jabor. Além dos personagens que contam a história, os atores também encarnam elementos da natureza e animais: a montanha, a cachoeira, o boi, a Árvore do Tempo.

Elemento importante na condução da história, a música é executada ao vivo em cena: Diogo toca xequerê; Helena, flauta; Lucas, lira; e Marina, zabumba. A direção musical é de Ricardo Cotrim, um dos fundadores do Grupo Cultural Cordão do Boitatá.

O cenário, criado pelo artista plástico Marimba, é uma estrutura de metal pela qual os atores contam a história, delimitando a cena e se adaptando facilmente a qualquer espaço, seja ao ar livre ou em teatros. Objetos cênicos e os próprios instrumentos também guiam a menina Rosa pela aventura em busca de sua flor. Os figurinos de Flavio Souza trazem referências à natureza em flores e tons de azul e verde.

Apresentações Rosa e a Semente:
Dias 14 e 15 de abril, às 11h, no Museu da República, no Catete.
Dias 21 e 22 de abril, às 16h30, no Parque de Madureira.
Dias 28 e 29 de abril, às 16h30, no Campo de São Bento, em Niterói.
Dias 5 e 6 de maio, às 16h30, na Praça Nossa Senhora da Paz, em Ipanema.

SOBRE A COMPANHIA
O Grupo Pedras foi criado em 2001 pelos atores Adriana Schneider, Ana Paula Secco, Diogo Magalhães, Georgiana Góes, Helena Stewart, Luiz André Alvim e Marina Bezze – que também são diretores, escritores, iluminadores, figurinistas e pesquisadores. Artistas que se interessam por todos os processos da arte cênica e desenvolveram um trabalho de pesquisa a partir de técnicas para o ator, como a utilização de máscaras, a bufonaria e a vivência de expressões populares brasileiras. Circulou pelo Brasil e explorou Rio e Grande Rio, participando de eventos importantes como o riocenacontemporanea, o Palco Giratório e o Festival Premier Pas, na cartucherie do Teathre du Soleil, em Paris. No repertório do grupo estão os espetáculos: “Restin” (2002), “O Muro” (2004), “Mangiare” (2007), “O Reino do Mar sem Fim” (2010), “In Comum” (2016), “O Fio da História” (2017).

SOBRE O DIRETOR
Isaac Bernat é ator, diretor, professor de teatro na Faculdade CAL e doutor em Teatro pela UNIRIO. Fez tese de doutorado sobre o griot africano e Sotigui Kouyaté, ator do grupo de Peter Brook, que deu origem ao livro “Encontros com o griot Sotigui Kouyaté”. Atuou recentemente em “Agosto”, direção de André Paes Leme; “Céus” e “Incêndios”, ambos dirigidos por Aderbal Freire Filho. “Incêndios” lhe rendeu o prêmio Botequim Cultural de Melhor Ator e Prêmio Aplauso de Melhor Elenco. Pelo trabalho em “As Aventuras de Pedro Malazartes” recebeu o Prêmio Coca-Cola de Melhor Ator. Também atuou em “Cara de Fogo”, direção de Georgette Fadel; “Mão na Luva”, de Vianinha, direção de Rubens Camelo e “Cine-Teatro Limite”, de Pedro Brício. Entre as peças que dirigiu destacam-se "Por Amor ao Mundo, um Encontro com Hanna Arendt", “Desalinho" e "Deixa Clarear", de Marcia Zanelatto; "Lili - uma história de circo", de Licia Manzo, que lhe rendeu o Prêmio Zilka Salaberry de Melhor Direção; “Calango Deu – Os Causos de Dona Zaninha”, de Suzana Nascimento e "Filhote de Cruz Credo", de Eduardo Katz, indicado ao Prêmio CBTIJ de Melhor Direção.

Ficha Técnica:
Direção: Isaac Bernat
Atores: Diogo Magalhães, Helena Stewart, Lucas Oradovschi e Marina Bezze
Assistência de Direção: Camila de Aquino
Dramaturgia: Elenco e direção
Direção de movimento: Andrea Jabor
Figurino: Flavio Souza.
Direção musical: Ricardo Cotrim
Cenário: Marimba
Ilustração: Luciana Grether
Programação Visual: Caco Chagas
Direção de Produção: Camila de Aquino
Produção Executiva: Inês Chada
Fotografia: Renato Mangolin
Assessoria de Imprensa: Bianca Senna
Mídias Sociais: Rafael Teixeira
Crédito de Renato Mangolin.

SERVIÇO
Espetáculo: “Rosa e a Semente”
Entrada franca
Duração: 45 minutos
Local: Museu da República
Data: 14 e 15 de abril
Horário: às 11h
Endereço: Rua do Catete, 153 – Catete.
Local: Parque de Madureira
Data: 21 e 22 de abril
Horário: às 16h30
Endereço: R. Parque Madureira, s/n – Madureira.
Local: Campo de São Bento, em Niterói
Data: 28 e 29 de abril
Horário: às 16h30
Endereço: Alameda Edmundo de Macedo Soares e Silva, s/n – Icaraí.
Local: Praça Nossa Senhora da Paz
Data: 5 e 6 de maio
Horário: às 16h30
Endereço: Praça Nossa Senhora da Paz – Ipanema.

Agenda Cultural RJ ▪ Gabriele Nery ▪ Produção e Divulgação de Eventos Culturais. Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas em pontos estratégicos. Divulgação de Midia Online. (21)996769323 / whatsapp #agendaculturalrj 

agendaculturalriodejaneiro.blogspot.com

 

Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

Minha lista de blogs