Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

8 de jul de 2015

Cia OmondÉ Repertório 5 Anos Comemorando 5 anos de atividades ininterruptas a Cia OmondÉ apresenta seu repertório completo de 16 de julho a 2 de agosto no Teatro Dulcina, dentro da ocupação Dulcina em Foco. Obras de Ariano Suassuna, Jô Bilac e Alcione Araújo fazem parte da mostra Cia OmondÉ Repertório 5 Anos.

AS CONCHAMBRANÇAS DE QUADERNA
Criada em 2010, a partir de um encontro teatral ocorrido um ano antes com “As Conchambranças de Quaderna”, a Cia OmondÉ é a concretização de um desejo que a atriz e diretora Inez Viana nutriu por mais de duas décadas, o de ter a sua própria companhia. Naquela ocasião, “movidos por esse encontro inicial, pelo desejo de compartilhar processos e criar em colaboração, nove atores de diferentes lugares do Brasil e eu, iniciamos uma pesquisa dialogando com diferentes recursos do teatro e da dança contemporâneos, pensando a cena a partir do lugar do ator no espaço vazio” comenta Inez, que outrora integrou grupos consagrados como o Manhas e Manias e o Centro de Demolição e Construção do Espetáculo. 

OS MANUTES
Passados 5 anos, todos os 4 espetáculos da OmondÉ continuam em repertório e viajando pelo Brasil. Essas peças tem textos assinados por Ariano Suassuna (“As Cochambranças de Quaderna”), Jô Bilac (“Os Mamutes” e “Infância, tiros e plumas”) e pela própria Inez adaptando um romance trágico de Alcione Araújo (“Nem mesmo todo o oceano”). Atualmente, além de Inez Viana, a OmondÉ é formada pelos atores Carolina Pismel, Debora Lamm, Iano Salomão, Jefferson Schroeder, Juliane Bodini, Junior Dantas, Leonardo Bricio, Luis Antonio Fortes e Zé Wendell, pela produtora Claudia Marques e pelos artistas colaboradores Marcelo Alonso Neves, Flávio Souza e Renato Machado e Dani Amorim que participaram das montagens. Nos últimos 3 anos a coordenação de produção da Cia está nas mãos da produtora Claudia Marques da Fábrica de Evento. Ao longo desses anos outros profissionais foram se “juntando” a OmondÉ. Aliás, segundo o Mestre Ariano Suassuna, a palavra OmondÉ significa: gente, confusão, embolada, celebração, agitação.
OS MANUTES
A apresentação do repertório da Cia OmondÉ acontece de 16 de julho a 2 de agosto no Teatro Dulcina, sempre às 19h, com ingressos a 20 reais. Além de comemorativo, a mostra é uma oportunidade tanto para aqueles que perderam uma ou outra peça do repertório da OmondÉ como para aqueles que desejam rever de uma só vez toda a produção teatral deste talentoso grupo.
NEM MESMO TODO O OCEANO
Durante o repertório, em parceria com a Editora Cobogó, será lançado 3 livros com os textos das peças “Os Mamutes”, “Infância, tiros e plumas” e “Nem mesmo todo o oceano”. Estas publicações contaram com textos do ator Guilherme Weber, da juíza e escritora Andrea Pachá e do escritor Paulo Scott.


INFÂNCIA, TIROS E PLUMAS
SERVIÇO
Teatro Dulcina
Rua Alcindo Guanabara 17, Centro – RJ (tel. 2240-4879)
Próximo a Estação Cinelândia do Metrô.
Horário: 19 horas
Ingressos: R$ 20,00

AS       CONCHAMBRANÇAS DE QUADERNA
De Ariano Suassuna
Dias 16, 17 e 18/07 às 19h
Classificação: 12 anos
Comédia

AS CONCHAMBRANÇAS DE QUADERNA
Uma das referências da literatura brasileira reside na obra do romancista e dramaturgo Ariano Suassuna, que foi membro da Academia Brasileira e Pernambucana de Letras, fundador do Movimento Armorial e tem sua obra permeada por valores e personagens da cultura popular nordestina e de clássicos da literatura universal. Em 2009, a Cia OmondÉ esteve à frente da primeira montagem profissional desse texto de Suassuna.
SINOPSE: São duas peças numa só ligadas por um mesmo narrador, Dom Pedro Diniz Quaderna: A primeira, conta a saga de duas irmãs prometidas em casamento onde o noivo de uma delas, no dia do matrimônio, resolve que quer se casar com a outra, criando uma grande confusão. E a segunda história fala de uma mulher traída pelo marido, que faz um pacto com o Diabo, e pede para que este leve o traidor e sua amante para o inferno. Quaderna então, se disfarça de Diabo e além de criar muitas “conchambranças”, ou seja, armadas e conchavos, revela um final inesperado.

FICHA TÉCNICA – Autor: Ariano Suassuna / Direção: Inez Viana / Direção de Produção: Claudia Marques / Elenco: Leonardo Bricio, Debora Lamm, Juliane Bodini, Ricardo Souzedo, Iano Salomão, Luis Antonio Fortes, Jefferson Schroeder, Zé Wendel, Junior Dantas, Carolina Pismel e Maíra Zago / Músicos: Gustavo Lyra e Karen Verthein / Cenário: Nello Marrese / Figurino: Flávio Souza / Direção Musical: Marcelo Alonso Neves / Iluminação: Renato Machado / Consultoria: Carlos Newton Junior / Assistente de Direção: Luis Antonio Fortes / Produção executiva: Rafael Faustini e Jéssica Santiago

OS MAMUTES
De Jô Bilac
Dias 22, 23 e 24/07 às 19h
Classificação: 16 anos
Comédia

Os Mamutes foi escrito por Jô Bilac aos 18 anos e segundo declaração própria, tratou-se de um delírio juvenil. Delírio esse cujo tema é atual à sociedade, um dilema entre seguir as regras de um sistema imoral para assim ser aceito por ele ou optar por seus valores éticos e ser excluído de um grupo. O espetáculo mostra os pontos coincidentes entre realidade e ficção, deposita toda nossa esperança a um Brasil voltado para o seu crescimento, não só tecnológico, mas educativo, onde a palavra do homem é o que vale, também sua moral e ética. Com muita ironia, a peça surpreende ao passar pelos variados questionamentos e dúvidas relativas ao humano.
SINOPSE: Isadora, menina perversa, tem apenas 9 anos. Está trancada em seu quarto e escreve a história de Leon - um rapaz honesto, criado pela avó através dos valores cristãos - que precisa de um emprego para sustentá-los. Com isso, tenta uma vaga de fritador de hambúrgueres na Mamute’s Food. Para conseguir a vaga, ele precisa matar um mamute - um ser humano sem valores morais - ele se vê então diante de uma encruzilhada: Matar um ser humano, por pior que ele seja, ou entrar para o sistema como um caçador de mamutes, com regras e valores próprios?
FICHA TÉCNICA – Texto: Jô Bilac / Direção: Inez Viana / Direção de Produção: Claudia Marques / Elenco: Debora Lamm, Leonardo Bricio, Ricardo Souzedo, Carolina Pismel, Iano Salomão, Juliane Bodini, Zé Wendell, Junior Dantas, Jefferson Schroeder e Luiz Antonio Fortes / Músicos: Eveline Garcia, Aline Gonçalves e Felipe Antello / Cenário: Nello Marrese / Figurinos: Flávio Souza / Direção Musical: Marcelo Alonso Neves / Iluminação: Renato Machado / Direção de Movimento: Dani Amorim / Assistente de direção: Leila Maria Moreno / Produção executiva: Rafael Faustini e Jéssica Santiago

NEM MESMO TODO O OCEANO
De Alcione Araújo – Adaptação Inez Viana
Dias 25 e 26/07 às 19h
Classificação: 16 anos
Drama

Nem mesmo todo o oceano é antes de tudo, um romance de geração e de ideias. É um thriller contemporâneo dentro de um romance histórico. O livro é uma espécie de diário de um arrivista e sua ambiciosa, deslumbrada e detestável trajetória. Com riqueza de detalhes, numa narrativa dinâmica, Alcione Araújo reconstitui toda uma época atribulada da História do Brasil (1950 a 1975) e constrói um romance poderoso, empolgante, raro de encontrar em qualquer língua, que lembra pela sua grandiosidade os gigantes da literatura russa do século passado.
SINOPSE: Na peça, assim como no romance, fatos reais se misturam à ficção, trazendo imediata identificação de uma das mais agravantes e dolorosas épocas do nosso país, a era da inocência perdida. Ameaçado de morte, um médico que assistia torturas nos porões da ditadura militar brasileira prepara-se para explicar seu comportamento a um grupo de jornalistas. Logo antes, ele rememora sua vida inteira e tenta entender como e por que ele, o garoto esforçado do interior, chegou até ali.
FICHA TÉCNICA – Autor: Alcione Araújo / Adaptação e direção: Inez Viana / Direção de produção: Claudia Marques / Elenco: Leonardo Bricio, Iano Salomão, Zé Wendell, Jefferson Schroeder, Junior Dantas e Luis Antonio Fortes / Iluminação: Renato Machado / Figurino: Flávio Souza / Direção musical: Marcelo Alonso Neves / Consultoria dramatúrgica: Pedro Kosovski / Assistentes de direção: Carolina Pismel, Debora Lamm e Juliane Bodini / Produção executiva: Rafael Faustini e Jéssica Santiago

INFÂNCIA, TIROS E PLUMAS
De Jô Bilac
Dias 30 e 31/07, 01 e 02/08 às 19h
Classificação: 14 anos
Drama

O ponto de partida para “Infância, Tiros e Plumas”, mais recente espetáculo da Cia OmondÉ, foi um laboratório de 10 meses de treinamento e pesquisa, quando foram gerados jogos, estudos e composições sobre educação e infância. Um projeto distinto quanto ao seu formato e percurso de pesquisa da Cia, pois a partir da colaboração dos atores para a escaleta e sinopse de Jô Bilac, foi se formando o texto final.
SINOPSE: A peça trata da decadência humana a partir de trajetos que se cruzam, gerando uma série de incidentes envolvendo crianças. Tudo se potencializa no ar, de maneira irreversível, modificando para sempre a vida daquelas pessoas, que em comum, possuem o desejo de vingança e a vontade de apagarem de suas memórias as próprias trajetórias. Três histórias se cruzam: Marín, mulher desequilibrada e bipolar, está num processo litigioso de separação com Henrique, médico famoso por inventar um antidepressivo que cura traumas da infância. Porém, mesmo nessa situação, resolvem comemorar o aniversário do filho de 9 anos, Júnior, numa viagem à Disney. Enquanto isso, Suzaninha, garota mimada e arrogante, que além de miss mirim é campeã de tiros, está acompanhada de seu segurança Argos, que por medo de voar se embriaga, deixando vir a tona toda sua violência. No mesmo vôo, ainda viajam os traficantes Pitil e Fernando, também funcionários da companhia aérea, que sequestram Juanito, um cucaracho de 4 anos, para fazê-lo de “mula”, transportando em sua mochila, um produto ilícito.

NEM MESMO TODO O OCEANO
FICHA TÉCNICA – 
Texto: Jô Bilac / Direção: Inez Viana / Direção de Produção: Claudia Marques / Elenco: Carolina Pismel, Debora Lamm, Iano Salomão, Jefferson Schroeder, Juliane Bodini, Junior Dantas, Leonardo Bricio, Luis Antonio Fortes e Zé Wendell / Stand in: Karina Ramil / Cenário: Mina Quental - Atelier na Glória / Iluminação: Renato Machado e Ana Luzia de Simoni / Figurino: Flavio Souza / Direção Musical: Marcelo Alonso Neves / Direção de Movimento: Dani Amorim / Visagismo: Marcio Mello / Assistente de Direção: Marta Paret / Assistente de Produção: Maíra Zago / Produtores Executivos: Rafael Faustini e Jéssica Santiago

ATENDIMENTO À IMPRENSA

assessor de imprensa Ney Motta
contemporânea comunicação
21 98718-1965 | 2539-2873
www.neymotta.com.br

INFÂNCIA TIROS E PLUMAS
Agenda Cultural RJ
Divulgamos espetáculos, shows, festivais, exposições e muito mais! 
Divulgação Cultural, Mídia Online, Distribuição de Filipetas e Colagem de Cartazes. 
(21)99676-9323 (WhatsApp) 
 agendaculturalrj@gmail.com 
 #agendaculturalrj

  Instagram

Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

Minha lista de blogs