Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

22 de nov de 2015

Exposição na Caixa Cultural mapeia a prática da escultura na produção contemporânea brasileira“Aparição” reúne obras de 17 artistas produzidas nos últimos O5 anos.

A Caixa Cultural inaugurou no dia 21 de novembro a exposição “Aparição” com obras de Adriano Amaral, Ana Paula Oliveira, André Griffo, André Terayama, Bruno Baptistelli, Daniel de Paula, Débora Bolsoni, Felipe Cohen, Flora Leite, Floriano Romano, Frederico Filippi, Gabriela Mureb, João Loureiro, Jorge Soledar, Matheus Rocha Pitta, Raquel Versieux e Wagner Malta Tavares. Sob a curadoria de Fernanda Lopes a mostra apresenta algumas possibilidades para se (re)pensar a definição e a prática da escultura, oferecendo um panorama recente da arte brasileira com trabalhos nos suportes performance, objeto, vídeo, fotografia, arte sonora, instalação e intervenção.

Artistas de diferentes gerações dialogam de maneiras variadas com a questão tridimensional.  Alguns utilizam materiais e fazem uso de processos convencionais como entalhar, fundir e modelar. Outros abrem mão da estrutura estática e apresentam o pensamento escultórico contemporâneo por meio de fotografia, vídeo e performance. Há ainda trabalhos que partem de referências diretas à história da escultura, como Brancusi, Man Ray e Michelangelo.



O título “Aparição” remonta a uma fala do escultor renascentista Michelangelo sobre seu processo de trabalho: “Em cada bloco de mármore vejo uma estátua; vejo-a tão claramente como se estivesse na minha frente, moldada e perfeita na pose e no efeito. Tenho apenas que desbastar as paredes brutas que aprisionam a adorável aparição para revelá-la a outros olhos como os meus já a veem".



Para a curadora Fernanda Lopes, " Ao longo dos últimos cinco séculos, a ideia de escultura se apresenta cada vez mais distante de uma questão meramente técnica ou formal. Sua definição convencional como “a arte e a técnica de plasmar a matéria entalhando a madeira, modelando o barro, cinzelando a pedra ou o mármore, fundindo o metal etc., a fim de representar em relevo, ou em três dimensões, estátuas, figuras, formas abstratas etc. parece dizer muito mais sobre o que hoje não é mais escultura do que sobre o que é. Nos mais de 30 trabalhos, realizados entre 2010 e 2015 fica claro que já não é possível pensar esse meio como antes. Elementos básicos como a relação com a arquitetura, o corpo, o material e a história; a representação do mundo; a noção de forma e tempo estáticos; o ato de esculpir; e até mesmo a tridimensionalidade aparecem aqui repensados, desconstruídos, ressignificados, colocados à prova".

“Aparição”
Adriano Amaral | Ana Paula Oliveira | André Griffo | André Terayama | Bruno Baptistelli | Daniel de Paula | Débora Bolsoni | Felipe Cohen | Flora Leite | Floriano Romano | Frederico Filippi | Gabriela Mureb | João Loureiro | Jorge Soledar | Matheus Rocha Pitta | Raquel Versieux | Wagner Malta Tavares
Curadoria: Fernanda Lopes
Abertura: 21 de novembro às 18h
Exposição: 21 de novembro de 2015 a 10 de janeiro de 2016

CAIXA Cultural «Nome»Rio de Janeiro – Galeria 3
Av. Almirante Barroso, 25, Centro (Metrô - Estação Carioca)
( (21) 3980-3815

Terça a domingo de 10h às 21h
Entrada Franca - Livre para todos os públicos
Acesso para pessoas com deficiência
Patrocínio: Caixa Econômica Federal e Governo Federal

Apoio: Agenda Cultural RJ 
Divulgamos espetáculos, shows, festivais, exposições e muito mais! 
Divulgação Cultural, Mídia Online, Distribuição de Filipetas e Colagem de Cartazes. (21)99676-9323 (WhatsApp) 
agendaculturalrj@gmail.com 
 #agendaculturalrj

  Instagram



Saiba mais sobre os artistas
















Adriano Amaral

Adriano Amaral nasceu em Ribeirão Preto (Brasil) em 1982. Ao longo dos últimos anos o artista tem vivido e exposto seus trabalhos na Europa onde participou do programa de mestrado em Escultura no Royal College of Art, em Londres, e está atualmente em residência no DeAteliers em Amsterdã. Sua mostras recentes incluem as individuais TraysForFlotation, MendesWoodDm, São Paulo (2015), Never From Concentrate, Múrias Centeno, Porto (2015) e Soft Matter, Space in Between, Londres (2014).

Andre Griffo

André Griffo vive e trabalha em Barra Mansa, Rio de Janeiro. É formado em Arquitetura e Urbanismo e dedica-se às artes plásticas desde 2009. O principal interesse da sua prática artística é relacionar espaços e objetos oriundos de diferentes lugares - encontrados na natureza, estruturas mecânicas, elementos decorativos, funcionais e históricos (grades, portões, janelas, brasões, obras de arte) - e explorar o potencial dos mesmos como imagem. Esses estudos resultam em estruturas mistas, eletro-mecânicas, adaptações, arranjos de objetos, espaços silenciosos, gambiarras empíricas. Como meios de estudo e registro são utilizadas as linguagens pintura, desenho e instalação.

André Terayama

André Terayama (1989) vive e trabalha em São Paulo. É mestrando em Artes Visuais no Instituto de Artes da UNESP. Realizou exposições individuais no Paço das Artes (São Paulo) e Museu de Arte de Ribeirão Preto (Ribeirão Preto) e Galeria Portas Vilaseca (Rio de Janeiro); além de 26 coletivas, das quais se destacam: Centro Cultural dos Correios (Rio de Janeiro), Museu Nacional dos Correios (Brasília), Museu Nacional (Brasília), Paço das Artes (São Paulo), Galeria de Arte IBEU (Rio de Janeiro) e Instituto Tomie Ohtake (São Paulo). Foi premiado no 43º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto, 12º Salão Nacional de Arte de Jataí, Situações Brasília, 3º Prêmio EDP nas Artes, 37º Salão de Arte de Ribeirão Preto e o 44º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba. Possui obras em acervos públicos tais como: Museu Nacional de Brasília, Museu de Arte de Ribeirão Preto, Museu de Arte Contemporânea de Jataí, Pinacoteca Municipal de Jundiaí e Paço Municipal Casa do Olhar Luiz Sacilotto.


João Loureiro

João Loureiro,1972, é Mestre em Poéticas Visuais pela ECA-USP (2007) e Licenciado em Artes Plásticas pela FAAP (1995). Fez individuais como “Pedra que Repete”, na Casa da Imagem (2013), “Blue Jeans”, no Projeto Octógono de Arte Contemporânea da Pinacoteca do Estado (São Paulo, 2009) e  “Reaparição”, no Paço Imperial (Rio de Janeiro, 2008). Participou das exposições “Open Borders/Crossroads Vancouver Biennale” (Vancouver, 2014), “Panoramas do Sul – 18 Festival Internacional de Arte Contemporânea SESC/Videobrasil”, no SESC Pompéia (São Paulo, 2013) e “Panorama da Arte Brasileira”, no Museu de Arte Moderna de São Paulo (2005).

Wagner Malta Tavares

O trabalho de WMT estabelece relações entre o imaginário POP, literatura clássica e construtivismo. Por meio de escultura, fotografia, objeto, vídeo, performance, intervenção urbana e desenho, estimula a percepção além da pura sensorialidade. Ao provocar o pensamento através da luz, do ar em movimento, do calor, frio e de outros elementos impalpáveis, procura uma possível metafísica dos corpos. Acredita que “há algo que atravessa as eras e as pessoas”, razão pela qual a ficção científica, história, literatura, cosmologia e teatro são seu universo de referência.

Bruno Baptistelli

Bruno Baptistelli é graduado em artes visuais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Entre 2007 e 2010, formou com Gustavo Prafrente a dupla Bebaprafrente. Dentre  suas  ultimas  exposições  destacam-se: When Thoughts Are Replaced By Moving Images, Basel, Suíça, 2015; Narrativas Cotidianas, FUNARTE, Brasília, 2015 (individual); Estruturas Possíveis, Oficina Oswald de Andrade, São Paulo, 2014, Taipa-tapume, Galeria Leme, São Paulo, 2014; 2, Galeria Pilar, São Paulo, 2013 (individual);  Volar, Galeria Del Infinito, Buenos Aires, Argentina, 2012; Programa de Exposições 2011; Centro Cultural São Paulo (CCSP), São Paulo, 2011 (individual); Portas Abertas, Workshop Mona Hatoum, Santander, Espanha, 2010; Red Bull House of Art, São Paulo, 2010.

Felipe Cohen

Felipe Cohen é artista plástico formado pela Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP). Realizou exposições individuais e coletivas em importantes centros culturais pelo Brasil como Centro Cultural São Paulo, Pinacoteca do Estado de São Paulo e instituto Cultural Itaú. Entre suas principais exposições estão a 8ª e a 11ª Bienal do Mercosul, Economy of means no Scottsdale Museum of Contemporary Art, Arizona, EUA e Imagine Brazil – Artists Books, que passou por diversas cidades da Europa. Possue trabalhos em importantes coleções como por exemplo Pinacoteca do Estado de São Paulo, Museu de Arte Moderna de São Paulo, Museu de Arte do Rio e Scottsdale Museum of Contemporary no Arizona, EUA.

Jorge Soledar

Jorge Solledar, 1979, Porto Alegre/RS. Vive e trabalha no Rio de Janeiro/RJ. Seus trabalhos misturam linguagens desde ações, instalações e fotografias que abordam o tema das perversões de modo risível. Assim, o uso de diversos materiais (madeira, gesso, massas) são experimentados para assujeitar o outro a uma condição de objeto, com o desejo de expor diversas agressões e constrangimentos do homem em sociedade. Atualmente, é professor de teorias da arte contemporânea e performance do curso de artes visuais com ênfase em escultura, pela Escola de Belas Artes da UFRJ, onde faz doutorado em linguagens visuais. Jorge Soledar é representado por Portas Vilaseca Galeria.

Matheus Rocha Pitta

Em período curto de tempo e por meio de projetos diversos, Matheus Rocha Pitta (Tiradentes –MG, 1980) sedimentou interesses e estratégias que permitem identificar, em uma obra que se adensa a cada novo trabalho, enunciado crítico sobre os mecanismos de troca que regem a vida comum. Move o artista, em particular, a vontade de explorar e expor a mercadoria – coisa qualquer que o trabalho humano produz e pela qual existe inequívoco desejo de posse – como índice de paradoxos que tais intercâmbios encerram ou engendram. Sem apelar para enunciados discursivos de disciplinas que tomam a mercadoria como objeto de investigação frequente (economia, filosofia, política), articula objetos e imagens que inventa para gerar conhecimento que não cabe naqueles campos de estudo.  Participou da 29ª Bienal de São Paulo, 2010 e da Bienal de Taipei, 2014. Em 2012 realizou “Dois Reais no Paço Imperial, Rio de Janeiro  e em 2013 L’Accordo na Fondazione Morra Greco , Napoli. Vive e trabalha no Rio de Janeiro.

Floriano Romano

Romano é pioneiro em obras que mesclam instalações, performance e rádio em espaços urbanos.Criou o programa de rádio “O Inusitado” no Rio de Janeiro, condensando um excelente imaginário sobre o som, tanto nas artes plásticas como na música e na poesia de 2002 a 2004. Trabalha com intervenções urbanas e sonoras, abertas a participação do público. Em 2015 ganhou o Prêmio CCBB Arte Contemporânea e participou da exposição do Prêmio Marcantonio VIlaça do SESI no MAC/USP. Em 2013 realizou a exposição SONAR, na Casa de Cultura Laura Alvim. Em 2012 ganhou o premio Marcantonio Vilaça da Funarte com a obra Chuveiros Sonoros e o Prêmio Projéteis de Arte Contemporânea com a exposição A Cidade Sonora. Em 2011 produziu o projeto INTRASOM no MAM-RJ e participou da exposição PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA no MAM-SP. Em 2009 participou da 7a Bienal do Mercosul “ Grito e Escuta” e ganhou em Dezembro o Prêmio Interações Estéticas da Funarte com o trabalho Sapatos Sonoros. Em 2008, Ganhou a Bolsa de Estímulo as Artes Visuais da Funarte com o projeto "Lugares e Instantes" de intervenção urbana, e o Prêmio Projéteis de Arte Contemporânea com a performance "S.W.O.L, Sample Way of Life". Em 2007 produziu a performance com a mochila sonora "Falante" premiada no Salão de Abril, Fortaleza, e que participou da mostra "Futuro do Presente" no Itaú Cultural em São Paulo. 

Daniel de Paula

Daniel de Paula 1987, E.U.A. Vive e trabalha entre São Paulo e Itapevi, Brasil. As proposições do artista intencionam ativar uma multiplicidade de relações em um dado contexto espacial. Através de uma postura que não se encera nos domínios da arte, deixando se intersectar por noções de geografia, astronomia e arquitetura, seu trabalho potencializa lógicas deduzidas do próprio comportamento e história de objetos e lugares. As operações utilizadas pelo artista sugerem uma indivisibilidade entre os objetos apresentados e as ações que lhes dão presença e conteúdo. Por meio de estratégias como negociações com e através de estruturas urbanas, deslocamentos de objetos cotidianos, apropriações de equipamento público e interações com os agentes constitutivos do espaço expositivo e seu entorno, seus objetos, instalações e intervenções instauram desarticulações e ressignificações de sistemas espaciais rígidos e condicionados. Exposições/Projetos individuais incluem: testemunho, Galeria Leme, São Paulo, Brasil (2015); objetos de mobilidade, ações de permanência, White Cube Gallery, São Paulo, Brasil (2014); Para estender um corredor, Galeria Cité Internationale des Arts, Paris, França (2013); Programa de exposições, Centro Cultural São Paulo, São Paulo, Brasil (2011), entre outras. Exposições coletivas incluem: Voragem da História, Observatório, curadoria Germano Dushá, São Paulo, Brasil (2105); Permanências e Destruições, curadoria de João Paulo Quintella, Oi Futuro, Rio de Janeiro, Brasil (2015); la parte que no te pertenece, curadoria de Paulo Miyada, Galeria Maisterravalbuena, Madrid, Espanha (2014); Onsite, TAP, curadoria de Mike Nelson, Southend-on-Sea, Inglaterra (2014); Open Cube, curadoria de Adriano Pedrosa, White Cube Gallery Mason’s Yard, Londres, Inglaterra (2013); Processos públicos, Paço das Artes, São Paulo, Brasil (2012), entre outras.

Debora Bolsoni

Debora Bolsoni, Rio de Janeiro, Brasil, 1975.  Vive e trabalha em São Paulo. Mestre em Poéticas Visuais pela USP (2014). Dentre as últimas exposições, destacam-se “Panoramas do Sul – 19o Festival de Arte Contemporânea SESC_Videobrasil” (2015); “Tudo que é sólido desmancha no ar”, Galeria Jaqueline Martins / São Paulo (2015); “Imagine Brazil, Astrup Fearnley Museet, Oslo (2014). Ainda em 2015 publicou o livro de artista “Queima” com apoio do ProAc da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e realizou a exposição individual “Urbanismo geral” na galeria Athena Contemporânea, Rio de Janeiro.

Flora Leite

Flora Leite (São Paulo, 1988) vive e trabalha em São Paulo. Se formou no Departamento de Artes Plásticas da Universidade de São Paulo (ECA – USP), como bacharel em escultura. Já participou de exposições em São Paulo, Rio de Janeiro e Lisboa, dentre coletivas e individuais. Tem trabalhos nas coleções públicas do Centro Cultural São Paulo e do MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto.

 Frederico Filippi

Frederico Filippi nasceu em São Carlos em 1983 e vive e trabalha em São Paulo. Entre suas principais exposições estão: “Até aqui tudo bem” (2015), Galeria White Cube, São Paulo; “Si no todas las armas, los cañones” (2014), Matadero Madrid, Madri, Espanha; “Deuses impostores” (2014), Galeria IBEU, Rio de Janeiro; “Mostra da 5º Edição da Bolsa Pampulha” (2014), Museu da Pampulha, Belo Horizonte; “A parte que não te pertence” (2014), Maisterra Valbuena, Madri, Espanha; “Accidente” (2013), La Sin Futuro, Buenos Aires, Argentina; “Abre alas 9” (2013), Galeria Gentil Carioca, Rio de Janeiro; “Programa de Exposições” (2011), Museu de Arte de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto. Prêmios e residências artísticas: Kiosko (2015), Santa Cruz de la Sierra, Bolívia; El Ranchito Matadero Madrid (2015), Madri, Espanha; Bolsa Pampulha (2013) Museu da Pampulha, Belo Horizonte; Prêmio Novíssimos (2013), Galeria IBEU, Rio de Janeiro; La Ene (2013), Buenos Aires, Argentina; 5º RedBull House of Art (2011), São Paulo.

Raquel Versieux

Belo Horizonte, Brasil, 1984 . Vive e trabalha em Rio de Janeiro. Principais individuais: 2013 - A Feira da Incoerência - Galeria Athena Contemporânea - Rio de Janeiro, Brasil, Where The Houses Live - Siz Galerija - Rijeka, Croácia. Recentes Coletivas: 2015 - Abre Alas 11 - Galeria A Gentil Carioca - Rio de Janeiro, Brazil, V Mostra | Programa Aprofundamento 2014 - EAV PArque Lage - Rio de Janeiro, Brasil, Permanências e Destruições: Ocupação Rua do Verde - Rio de Janeiro, Brasil | 2014: 4º Festival de Fotografia de Tiradentes: Fotografia Mineira Contemporânea - Tiradentes, Brasil, Encontros Carbônicos - Largos das Artes - Rio de Janeiro, Brasil, Primeiro Estudo: Sobre Amor - Luciana Caravello Arte Contemporânea - Rio de Janeiro, Brasil, Aparição - Galeria Athena Contemporânea - Rio de Janeiro, Brasil | 2013 - Imaginário - Museu de Arte do Rio - Rio de Janeiro, Brasil, Fronteiras - Espaço Cultural Sérgio Porto - Rio de Janeiro, Brasil, Entrecruzamentos - Galeria Athena Contemporânea - Rio de Janeiro, Brasil, Convite à Viagem: Rumos Artes Visuais 2011-2013 - Paço Imperial - Rio de Janeiro, Brasil


Gabriela Mureb

Gabriela Mureb nasceu em Niterói em 1985. Vive e trabalha no Rio de Janeiro. É mestre em Linguagens Visuais pela UFRJ, onde graduou-se em Pintura. Foi uma das artistas selecionadas pelo programa Rumos Artes Visuais 2011-2013. Em 2014 participou do 65º Salão de Abril (no Centro Cultural Banco do Nordeste, CE) e do Novíssimos (na Galeria Ibeu, RJ). Entre suas principais exposições estão a individual Corpos Dóceis, na galeria A Gentil Carioca (2009, RJ) e as coletivas Convite à Viagem, com curadoria de Agnaldo Farias, (no Itaú Cultural, SP, em 2012 e no Paço Imperial, RJ, em 2013), Espelho Refletido - O Surrealismo e a Arte Contemporânea Brasileira, com curadoria de Marcus Lontra Costa, no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (2012, RJ) e Jogos de Guerra, com curadoria de Daniela Name, no Caixa Cultural (2011, RJ). Participou dos festivais de performance Queer Zagreb, em 2012, e Queer NY, em 2013.

 Ana Paula Oliveira

Ana Paula Oliveira (Uberaba MG 1969). Escultora. Cursa artes plásticas na Faculdade de Belas Artes de São Paulo. Em 1999, integra a cooperativa de artistas Olho Seco, do ateliê Daora Brandão, e participa de suas primeiras exposições coletivas: uma no próprio ateliê; outra no Museu Brasileiro de Escultura - MuBE, sob a orientação de Nazareth Pacheco (1961); e a última, Corpó, no Ateliê Alexandre Menossi, todas em São Paulo. Em 2001, faz a primeira individual, na Capela do Morumbi. No mesmo ano, junto com os artistas do Olho Seco, cria a galeria independente 10,20x3,60, em São Paulo. No ano seguinte, participa nessa galeria de uma mostra coletiva orientada por Laura Vinci (1962) e recebe o prêmio aquisição do Centro Cultural São Paulo - CCSP, onde faz uma individual e uma coletiva. É em 2003, na 10,20x3,60, por ocasião da instalação Alvorada minha terra, que a artista utiliza pela primeira vez animais vivos.

Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

Minha lista de blogs