Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

13 de jul de 2017

NUNCA FUI CANALHA em cartaz até dia 29 de julho no Teatro Serrador


NUNCA FUI CANALHA

de Tatá Lopes e Martha Mendonça , reestreia dia 7 no Teatro Serrador

Momentos de canalhice explícita na peça



E aí? Você é canalha? Já foi? Canalha ou não, você vai se divertir com a comédia “Nunca fui canalha”, texto de Tatá Lopes e Martha Mendonça que estreia no próximo dia 7 de julho, sexta-feira, no Teatro Serrador, na Cinelândia.  A temporada vai até o dia 29 de julho, quintas, sextas e sábados, às 19h30

No palco, Tatá dá vida a quatro mulheres canalhas inspiradas nas personagens do livro "Canalha: substantivo feminino", de Martha Mendonça. Três das personagens estão no livro – Diana, Leila e Rebeca; a exceção é Santinha, criada especialmente para Tatá. Com direção de Victor Garcia Peralta, a peça faz uma análise bem-humorada do caráter humano. É Martha quem conta como surgiu a parceria com Tatá e, depois, com o diretor.

– Conheci Tatá em 2011, quando ela fez conosco o Sensacionalista na TV. Eu já a tinha visto no “Surto” e gostava muito da pegada de humor dela. O tempo passou, e, em 2014, voltamos a trabalhar juntas na redação do “Zorra”. Foi bacana ver que ela, além de ótima atriz, era uma redatora de mão cheia. Foi lá que Tatá começou a conversar comigo sobre fazer um monólogo das “Canalhas” – um desejo que ela tinha, na verdade, desde que lancei o livro. A nós se juntou, um pouco depois, o diretor, Victor Peralta, que trouxe novos rumos para o nosso texto.

A peça não é uma transposição do livro para o teatro. As personagens da obra são apenas uma parte que costura o texto. O espetáculo é mais direto, menos sutil. O textoácido é deliciosamente divertido, irreverente e não poupa ninguém. Ou quase ninguém. Afinal de contas, o que mais tem no mundo é gente canalha.

Os espectadores vão identificar muitos deles em suas vidas – ora de passagem, ora tentando roubar a cena mesmo. Alguns vão até se identificar também, mesmo que batam no peito e digam “nunca fui canalha”. Mas a verdade é como descreveu o dramaturgo Nelson Rodrigues: "No Brasil, quem não é canalha na véspera é canalha no dia seguinte". Para conforto do público, Tatá e Martha fazem de tudo para defendê-lo: “Gente canalha não vai ao teatro. Canalha só fica em casa. Vendo série. Série sobre outros canalhas.”

Em meio a canalhas de todos os tipos – do “canalha ostentação” à canalha religiosa, passando pelo canalha político, claro! –, a peça só poupa o público, a ficha técnica, eu, você e, claro, quem mora em Mauá. 

Ficha Técnica
Elenco: Tatá Lopes
Direção: Victor Garcia Peralta
Texto: Martha Mendonça e Tatá Lopes
Direção de Produção: Marcela Casarin
Assistência de Produção: Janyne Sousa
Produção de Apoios: Lívia Machado
Cenografia: Dina Salem Levy
Cenotécnico: Paulo Denizot
Figurino: Luiza Fardin
Visagismo para fotos: Ítalo Santana
Costureira: Marenice Alcântara
Iluminação: Paulo Denizot
Supervisão de Movimento: Cristina Amadeo
Programação Visual: Rico Vilarouca
Fotografia: Leonardo Miranda
Assessoria de Imprensa: Sheila Gomes
Comunicação Digital: Lê Bottino
Produção: Mãe Joana Filmes e Produções
Realização: Os Surtados Produções Artísticas

Serviço:  Nunca fui canalha, de Tatá Lopes e  Martha Mendonça
Teatro Municipal Serrador
De 7 a 29 de julho – Quintas, Sextas e Sábados, às 19h30
Ingressos a R$ 40 (inteira) e R$ 20(meia)
Gênero: Comédia ácida
Classificação: 12 anos
Duração: 60 minutos

Agenda Cultural RJ - Divulgação Cultural - Colagem de Cartazes e Distribuição de Filipetas. Divulgação de Mídia Online. Gabriele Nery - agendaculturalrj@gmail.com #agendaculturalrj Instagram

Digite aqui o seu e-mail e passe a receber a programação cultural GRATUITA do Rio de Janeiro

Minha lista de blogs